Professora de Enfermagem da UniMAX tira dúvidas sobre câncer de mama na Rádio Clip FM

Professora de Enfermagem da UniMAX tira dúvidas sobre câncer de mama na Rádio Clip FM

Enfermeira obstetra, Maria Paula Amgarten, docente do Centro Universitário Max Planck falou sobre fatores de risco, prevenção, diagnóstico, tratamento, entre outras informações relevantes apresentadas pela Campanha “Outubro Rosa”

A convite da Rádio Clip FM, a professora do curso de Enfermagem da UniMAX – Centro Universitário Max Planck de Indaiatuba, Maria Paula Amgarten, tirou dúvidas dos ouvintes em relação ao câncer de mama. Na ocasião, a docente que é enfermeira obstetra falou sobre fatores de risco, prevenção, diagnóstico, tratamento, entre outras informações relevantes apresentadas pela Campanha “Outubro Rosa”. O câncer de mama é um crescimento incontrolável de células originárias de tecido normal da mama, que se juntam, crescem e destroem a mama.

Maria Paula destacou que a amamentação é uma importante aliada na prevenção da doença, que de acordo com o levantamento do Instituto Nacional do Câncer (INCA) somará cerca de 60 mil novos casos de câncer de mama em 2019, número que corresponde a 28% de todos os diagnósticos da doença registrados no país. “Quanto mais tempo a mulher amamentar, melhor para sua saúde”, diz a docente.

Entre os fatores de risco, a professora salientou: primeira menstruação (menarca) antes dos 12 anos; nunca ter engravidado; ter engravidado com mais de 35 anos; última menstruação (menopausa) acima de 55 anos; doenças benignas na mama (cistos); terapia de reposição hormonal; câncer de mama em mãe, irmã ou filha antes da menopausa; câncer de mama em avós, tias e primas; uso abusivo de álcool (três ou mais drinques por semana); vida sedentária e obesidade; alterações genéticas e; uso contínuo de pílulas anticoncepcionais (ainda não comprovado).

“A melhor maneira de se prevenir é realizar o autoexame da mama, mensalmente, além de controlar a dieta, fazer exercício físico, evitar o cigarro, reduzir a ingestão de bebida alcoólica”, explica a enfermeira. “O sintoma mais comum é o aparecimento de nódulo, geralmente, indolor, duro e irregular; inchaço cutâneo semelhante à casca de laranja; retração cutânea; dor, inversão do mamilo, vermelhidão, descamação ou ulceração do mamilo; secreção transparente, rosada ou avermelhada no mamilo, podem surgir também caroços na axila”, explica Maria Paula.

A professora orientou que em caso de identificação de anormalidade na mama, é necessário procurar o posto de saúde, que está apto a encaminhar a paciente ao especialista. Falou também sobre os métodos de diagnósticos (mamografia e biópsia) e tipos de tratamento (quimioterapia, terapia hormonal e mastectomia). Também falou sobre a possibilidade de homens desenvolverem câncer de mama, sendo considerado raro, representando apenas 1% do total de casos da doença.

Por fim, ela comentou sobre a mudança no período de realização de mamografia, que passou de 40 anos para 50 anos e vai até 70 anos, sendo feita de dois em dois anos e não mais anual. “A própria exposição à radiação já é prejudicial e pode ser um fator de risco de desenvolvimento do câncer de mama”, conclui.

SERVIÇO

Vestibular 2020 – UniMAX – Centro Universitário Max Planck

Inscrições: www.faculdademax.edu.br

Telefone: (19) 3885-9900

Texto: Tatiane Dias – (MTB 67029)

27/10/2019