Fisioterapia: aliado fundamental no tratamento do Linfedema

Fisioterapia: aliado fundamental no tratamento do Linfedema

Prof.ª Fernanda Moraes

Docente da UniMAX – Centro Universitário Max Planck

O câncer é uma doença caracterizada pelo crescimento e desenvolvimento celular desordenado. O câncer de mama é um tumor maligno encontrado de forma frequente entre as mulheres e no Brasil, é diagnosticado de forma tardia causando transtornos físicos, sociais e emocionais.

Após a realização da cirurgia para retirada da mama, a principal complicação encontrada é o Linfedema que, consiste em uma concentração alta de líquido proteico nos espaços intersticiais, prejudicando o funcionamento do sistema linfático. Os sinais e sintomas do Linfedema são: tensionamento da pele, aumento do membro (diâmetro), diminuição da amplitude de movimento (ADM), reduzindo sua mobilidade nas tarefas diárias.

A fisioterapia tem um papel importante na recuperação funcional, buscando minimizar e controlar o volume do membro, quando o Linfedema se encontra instalado. É de suma importância a intervenção fisioterapêutica de forma precoce, possibilitando prevenir complicações maiores.

Durante as aulas na UniMAX, foram realizadas etapas para o tratamento do Linfedema que é composta por duas fases:

A avaliação é o primeiro procedimento a ser realizado, iniciando com o exame físico (perimetria do membro afetado e o contralateral), análise da pele (se há presença de feridas/alergias/alteração sensibilidade) e a amplitude de movimento.

1 ª Fase tratamento: hidratar a pele, drenagem linfática manual (DLM), enfaixamento compressivo e cinesioterapia (movimentos, exercícios específicos para o membro) promovendo contrações musculares somadas ao enfaixamento, auxiliando o sistema linfático.

2ª Fase tratamento: as bandagens são substituídas pelo uso de braçadeiras/luvas elásticas feitas sob medida, para uso constante. A DLM e a realização da cinesioterapia, são procedimentos que o paciente continuará realizando em sua casa com a orientação do fisioterapeuta.

As orientações domiciliares e a continuidade do tratamento serão importantes ao longo da vida.

O papel do tratamento fisioterapêutico é diminuir as complicações que o Linfedema ocasiona, favorecendo o retorno às atividades diárias e melhorando a qualidade de vida.

O estudante de fisioterapia tem a oportunidade de aprender desde o funcionamento do corpo humano, as doenças acometidas e os tratamentos possíveis e indispensáveis para a melhora do paciente. As aulas práticas permitem a realização de cada etapa, preparando o aluno para o mercado de trabalho.

25/01/2019