Crianças obesas aos 2 anos têm 75% de chance de também está aos 35 anos

Crianças obesas aos 2 anos têm 75% de chance de também está aos 35 anos

O problema da obesidade preocupa a população adulta, mas o crescimento da doença não atinge somente esta parcela da sociedade. A doença atinge cada vez mais as
crianças do mundo. Dados expostos por especialistas no seminário “Os desafios da alimentação saudável no Brasil”, realizado no Correio Braziliense nesta quarta-feira
(14/8), expõem o tamanho do problema.

A chefe da área de Saúde e HIV do Unicef, Cristina Albuquerque, em sua apresentação expôs, por exemplo, que crianças obesas aos dois anos tem 75% de chance de serem
obesas aos 35 anos. A taxa é ainda mais alta quando se olha para os adolescentes. Jovens obesos aos 19 anos tem 89% de chance de ser obeso na vida adulta.

Para ela, o problema passa alimentação saudável nas escolas. “O Brasil está devendo projetos para fornecer uma alimentação saudável nas escolas. Não há uma legislação a
nível nacional para a promoção de alimentação saudável dentro desse ambiente”, explica.

No entanto, há casos de sucesso de leis estaduais que conseguiram reduzir o consumo de alimentos ultraprocessados. Em Santa Catarina, por exemplo, desde 2001, as
escolas, sejam da rede pública ou privada, não pode vender balas, pirulitos, refrigerantes, sucos artificiais, salgadinhos industrializados e salgados fritos.

No Distrito Federal, a Lei das Cantinas foi feita de 2013, só passou a vigorar em fevereiro de 2016. A lei estabelece que as cantinas de escolas públicas e particulares
devem vender alimentos saudáveis, como frutas, iogurtes, vitaminas naturais; pães integrais e etc.