A FEBRE MACULOSA É PERIGOSA? SAIBA MAIS SOBRE A DOENÇA COM A UNIMAX

A FEBRE MACULOSA É PERIGOSA? SAIBA MAIS SOBRE A DOENÇA COM A UNIMAX

Preocupados com os crescentes casos de Febre Maculosa no país, professores do curso de Enfermagem da UniMAX – Centro Universitário Max Planck de Indaiatuba, Alexandro Marcos Menegócio e Beatriz Castanheira Facio, explicam sobre prevenção, transmissão, diagnóstico, doença em animais domésticos (cachorros, gatos, entre outros) e o ciclo da Febre Maculosa.

Segundo os dados do Ministério da Saúde, no ano de 2019 já foram confirmados 37 casos de Febre Maculosa no Brasil, sendo que 11 destes foram no Estado de São Paulo (BRASIL, 2019a). Além disso, foram confirmados 2 óbitos, 1 em Minas Gerais e outro em São Paulo (BRASIL, 2019b).

PREVENÇÃO DA FEBRE MACULOSA

  • Esse cenário demanda um ALERTA:

Sempre que frequentar áreas rurais e de campo, realizar uma observação minuciosa, principalmente em pernas, para certificação de ausência de carrapatos, picadas e/ou vermelhidão local. Atentar-se para coceiras.

  • Cuidados a serem tomados
    • Em passeios a sítios, chácaras, parques e demais áreas com presença de grama e arbusto fazer a inspeção nas pernas;
    • Sempre usar calças compridas por dentro das meias;
    • Evitar usar calças com barras dobradas;
    • Examinar animais domésticos como cachorros e gatos e de convívio para se certificar da ausência de carrapatos;
    • Evitar proximidade com capivaras.
    • Evitar esmagar carrapatos na pele, pois os mesmos podem liberar bactérias nesse momento.

AGENTE CAUSADOR DA FEBRE MACULOSA

Como identificar o carrapato estrela?Ciclo

Fonte: imagem do Google.

  CICLO DA FEBRE MACULOSA

As fêmeas após fecundadas e ingurgitadas desprendem-se do hospedeiro, caindo no solo para realizar postura única em   torno de 5.000 a 8.000 ovos antes de morrerem. Após período de incubação (30 dias à temperatura de 25ºC) ocorre a         eclosão dos ovos e nascimento das ninfas hexápodes (larvas). As ninfas sobem pelas gramíneas e arbustos e aí esperam a     passagem dos hospedeiros. Após sugarem sangue do hospedeiro por 3 a 6 dias, desprendem-se deste e no solo ocorre a   ecdise (18 a 26 dias), transformando-se no estágio seguinte que é a ninfa octópode. As ninfas fixam-se em um novo   hospedeiro e em 6 dias ingurgitam-se de sangue, e no solo sofrem nova ecdise (23 a 25 dias), transformando-se no   carrapato adulto. O Amblyomma cajennense completa uma geração por ano, mostrando os três estágios parasitários marcadamente distribuídos ao longo do ano. As ninfas hexápodes ocorrem basicamente entre os meses de março a julho e sobrevivem até 6 meses sem se alimentar. As ninfas octópodes entre os meses de julho a novembro e os adultos entre os meses de novembro a março, sobrevivem até 1 ano e 02 sem se alimentar, respectivamente. Os carrapatos Amblyomma cajennense são responsáveis pela manutenção da R.rickettsii na natureza, pois ocorre transmissão transovariana e transestadial. Esta característica biológica permite ao carrapato permanecer infectado durante toda a sua vida e também por muitas gerações após uma infecção primária.

  • Hospedeiros:Pode ser encontrado em todas as fases em: aves domésticas – galinhas, perus; aves silvestres – seriemas; mamíferos – cavalo, boi, carneiro, cabra, cão, porco, veado, capivara, cachorro do mato, coelho, cotia, coati, tatu, tamanduá; animais de sangue frio – ofídeos. Reservatórios: a infecção se mantém pela passagem transovárica e transestadial nos carrapatos. Diversos roedores e outros animais ajudam a manter o ciclo da doença.

TRANSMISSÃO DA FEBRE MACULOSA

A transmissão em seres humanos ocorre por meio da picada do carrapato infectado pela bactéria causadora da doença. Os carrapatos permanecem infectados durante toda a vida, em geral de 18 a 36 meses.

FEBRE MACULOSA EM CACHORROS

“O Ministério da Saúde não foi notificado até o momento sobre casos de Febre Maculosa em animais de estimação”. Vale mencionar a importância de animais como o cachorro, o cavalo e a capivara no ciclo de transmissão da doença, que, além de fonte de alimentação para os carrapatos, podem auxiliar no deslocamento de insetos infectados e estão próximos ao homem.
Tome cuidado ao levar seu bicho de estimação para o ambiente rural, num passeio de turismo ecológico ou parques e até praças em áreas onde outros animais silvestres tenham livre circulação.Esses animais podem servir de amplificadores da doença se entrarem em contato com ambientes com carrapatos. Isso quer dizer que eles podem carregar o carrapato de um lugar para o outro, até que esse tipo de ácaro chegue ao homem.  Porém, não são transmissores da doença. Fique tranquilo! O seu bicho de estimação não vai te passar a Febre Maculosa.

CICLO DO CARRAPATO

Cliclo Carrapato

 

  1. Os carrapatos não têm por hábito fixar residência em um único animal. Eles procuram cachorros, gatos, seres humanos ou qualquer outro animal para se alimentar, voltando para o ambiente, onde colocam seus ovos e, assim desenvolvem seu ciclo.
  2. Logo após sair o ovo, a larva procura um animal para se alimentar e retornar ao ambiente após alguns dias.
  3. No ambiente, a larva se transforma em ninfa, ganhando mais um par de patas.
  4. Depois, já com quatro pares de patas, a ninfa torna a procurar um animal para se alimentar e volta ao ambiente onde se transforma em adulto (macho ou fêmea).
  5. Então, os adultos infestam os animais para se alimentar de seu sangue, reproduzir-se e começar um novo ciclo de vida.

DIAGNÓSTICO DA FEBRE MACULOSA

Para o diagnóstico da Febre Maculosa, além dos quadros clínicos, deve se realizar os testes laboratoriais. Os mais indicados para diagnóstico específico são as Reações de imunofluorescência indireta (RIFI), que detectam presença de anticorpos contra a bactéria, a partir de coleta de sangue.

O QUE CAUSA A FEBRE MACULOSA?

A Febre Maculosa (americana), tifo exantemático, febre do carrapato (Brasil), ou febre da carraça (Portugal), é uma doença incomum causada pela bactéria Rickettsia rickettsii e transmitida pela picada de carrapatos ou fezes de piolhos.

Sintomas da Febre Maculosa

Sintomas da Febre Maculosa

Alguns sintomas são diferenciais da febre maculosa, entre eles podemos citar:

  • Febre alta, acima de 39ºC.
  • Calafrios.
  • Dor de cabeça.
  • Dores musculares.
  • Dor abdominal.
  • Cansaço.
  • Perda de apetite.
  • Confusão ou outras alterações neurológicas.

Fonte: imagem Google.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. SINAN. Casos confirmados de febre maculosa. Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 2000 a 2019*. 2019a.Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/junho/14/Casos-de-Febre-Maculosa.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. SINAN. Óbitos de febre maculosa. Brasil, Grandes Regiões e Unidades Federadas. 2000 a 2019*. 2019b. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/junho/14/Obitos-por-febre-maculosa.pdf

Por: coordenador do curso de Enfermagem, professor Alexandro Marcos Menegócio e professora Beatriz Castanheira Facio

Vestibular 2020 – UniMAX – Centro Universitário Max Planck

Inscrições: www.faculdademax.edu.br

Prova: 27/10

Horário: às 9h30

Local: Campus I – Avenida 9 de dezembro, 460 – Jardim Pedroso – Indaiatuba/SP

Telefone: (19) 3885-9900

Texto: Tatiane Dias – (MTB 67029)

Edição/Revisão: Tatiane Dias (MTB 67029)

05/10/2019