UniMAX Atualiza! De cara nova!

UniMAX Atualiza! De cara nova!

Muito se fala hoje em dia sobre reuso, sustentabilidade, reciclagem e redução de materiais e mobiliário… Mas é possível aplicar esse conceito na decoração de um ambiente?

A resposta é sim! Isso pode e deve acontecer no momento das especificações dos materiais, acabamentos, objetos e mobiliários que farão a composição dos espaços.

Destacando os mobiliários, podemos e devemos utilizar aquela cadeira, penteadeira ou cômoda herdada de uma tia ou avó, em um novo contexto. Essas peças, via de regra, costumam apresentar boa qualidade, uma vez que em sua maioria são produzidas com madeiras nobres, além de guardar em si, cargas afetivas que não poderão ser encontradas em peças novas adquiridas em lojas.

Para os antenados de plantão, esses objetos podem ser garimpados em brechós, vendas de garagem ou até mesmo em antiquários. Uma boa dica é verificar o estado geral em que as peças se encontram, se as mesmas não possuem cupins ou outros problemas de difíceis soluções.

Inserir uma peça de época em um contexto contemporâneo imprime personalidade e exclusividade aos ambientes e de quebra contribui com o meio ambiente.

Claro que tudo deve ser projetado pensando sempre no bem-estar dos usuários daqueles espaços. Lembre-se: “Menos é mais”, como já dizia o famoso arquiteto modernista Mies van der Rohe. Há de se ter cuidado com os exageros para que o ambiente não fique com aspecto de museu e a circulação não seja comprometida.

Podemos então, atribuir novos usos aos objetos. Por exemplo: uma gaveta pode se tornar um adereço de parede ou um nicho para exposição de outros itens interessantes; uma penteadeira pode ser utilizada com muito estilo como um bar e uma cômoda pode ser disposta em um layout de um hall de entrada e causar grande impacto positivo.

Muitas vezes essas peças necessitam apenas de um conserto, uma boa limpeza ou uma camada de cera ou verniz para ganharem sobrevida e serem inseridas nos ambientes e se tornarem os centros de interesse destes espaços.

Ou ainda, podemos transformar totalmente o aspecto dos objetos fazendo uso das inúmeras técnicas de pinturas especiais e materiais para acabamentos disponíveis no mercado que aumentam as possibilidades de reuso desses objetos.

Uma das técnicas de pinturas especiais mais utilizadas é a pátina, que além de versátil e acessível, é também muito fácil de executar. Paciência e capricho são indispensáveis para obtenção de um bom resultado.

Originalmente pátina é um composto químico natural que se forma na superfície dos metais pela exposição aos elementos e ao clima, conferindo aos mesmos uma camada esverdeada e desgastada.

Para obter os mesmos efeitos de forma artificial podemos nos valer dos diferentes tipos de técnicas de pinturas que remetem à pátina, como: provençal, mexicana, lavada, lixada, batik, tradicional, dentre outras e todas buscam simular a ação do tempo, promovendo um aspecto envelhecido e muito bonito às peças. Esse tipo de efeito vem sendo utilizado há anos por artistas e artesões para transformar a aparência original de superfícies de madeira ou metal, podendo ser empregado também em portas, paredes, batentes e molduras.

Sempre cabe um móvel ou objeto patinado dentro dos ambientes, basta um pouco de bom senso e criatividade, além, é claro de muito estilo!

Rose Panetta

Designer / Especialista em Interiores / Docente no curso de Arquitetura e Urbanismo.

12/11/2018