Hospital-Escola é inaugurado

Cerimônia contou com presença de alunos, professores, imprensa, autoridades e convidados

Com uma área construída de três mil metros quadrados, o Hospital-Escova Veterinário foi inaugurado oficialmente na última terça-feira, 11, já com a realização de cirurgias em pequenos e grandes animais.

A cerimônia oficial de inauguração contou com a presença de professores, alunos, imprensa local e regional, convidados e autoridades, entre elas o prefeito Reinaldo Nogueira; o presidente da câmara, Luiz Alberto Pereira; o deputado Federal Nelson Marquezelli; o deputado Estadual Rogério Nogueira, entre outros.

Durante o evento, professores e alunos do curso de Medicina Veterinária e médicos veterinários convidados realizaram cirurgias simultâneas, nos dois centros cirúrgicos: de pequenos e de grandes animais. “O Hospital-Escola Veterinário é mais um sonho concretizado pela Faculdade Max Planck, que hoje soma em torno de quatro mil alunos”, salientou o diretor geral, o professor Ricardo Tannus.

Além de toda estrutura física que inclui salas de aula equipadas, dois centros cirúrgicos, unidade ambulatorial de atendimento para pequenos animais, laboratório de patologia animal, laboratório de análises clínicas e diagnóstico por imagem, curral e baias para internação e recuperação dos pacientes, o Hospital-Escola Veterinário da Faculdade está ampliando os projetos sociais, com a implantação do Programa de Controle Populacional de cães e gatos, que viabilizou a implantação do projeto de castração, orientação e posse responsável de animais.  “Tenho certeza que com vocês aqui nós poderemos ampliar o programa de castração da prefeitura, que poderemos contar com toda essa estrutura”, reforçou o prefeito Reinaldo Nogueira Lopes Cruz.

Organizado pelo departamento Comercial, direção e coordenação de Cursos, a inauguração contou com a participação das turmas Maxtec de Confeitaria, que ficou responsável pela preparação do cardápio servido, e a de Eventos, que preparou toda a estrutura para receber os convidados.

POR: SAMANTA DE MARTINO