ALUNOS DA UNIMAX FICAM ENTRE OS FINALISTAS DO 11º CONCURSO NACIONAL CBCA

ALUNOS DA UNIMAX FICAM ENTRE OS FINALISTAS DO 11º CONCURSO NACIONAL CBCA

Rafael Eulâmpio e Laís Lima de Arquitetura e Urbanismo projetaram um Pavilhão com Estufa para Parque Botânico para Indaiatuba e teve por base as formas de um tatu

 

Os alunos do 8º semestre de Arquitetura e Urbanismo da UniMAX – Centro Universitário Max Planck, Rafael Eulâmpio e Laís Lima, ficaram entre os finalistas do 11º Concurso Nacional CBCA (Centro Brasileiro de Construção em Aço), que teve por tema ‘Pavilhão com Estufa para Parque Botânico’. “Trata-se de um dos objetivos para a ‘Agenda 2030 Para Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas’, que é proteger contra a desertificação e deter a degradação das terras e da biodiversidade, consequentemente, uma luta contra a pobreza humana”, explica a professora Filomena Colevate, que orientou, voluntariamente, os estudantes.

De acordo com o CBCA, o Concurso recebeu inscrições de 333 equipes de 180 universidades, representando 24 estados brasileiros. Dos trabalhos recebidos, 40 foram selecionados para a avaliação final, dentre eles, o projeto dos estudantes da UniMAX.

A aluna conta que o Pavilhão, criado por ela e Rafael,  foi implantado em  terreno ao lado da Prefeitura de Indaiatuba, atualmente vazio e na época da pesquisa ainda em estudo para diretriz de ocupação para  futuros projetos inscritos no Plano Diretor Municipal. “O projeto contém quatro estufas, cada uma projetada particularmente para um bioma típico do Brasil e um pavilhão maior que funciona como estufa, mas também possui salas educativas e espaço para suprir necessidades gastronômicas”, diz Laís. “O passeio pelo parque a céu aberto, serve para  reforçar a experiência do visitante com as correlações entre os biomas de cada estufa”, complementa Rafael.

Laís destaca, também, que  resquícios de exemplar de  Mata Atlântica existentes no local foram mantidos, uma vez que se trata de APP ( Área de Preservação Permanente) envoltória de nascente foi inserida como referência para representar o bioma respectivo. “Procuramos não fazer grandes alterações no terreno, tirando partido da topografia com desnível de aproximadamente 40m ao longo da área de aproximadamente 495.000m², inserindo um teleférico como atrativo turístico e com função de transporte interno do Parque para vencer os desníveis”, ressalta.

Totalmente estruturado em aço, exigência primordial do concurso, a estética formal foi ousada e temática, se beneficiando das possibilidades e  resistência do material, o que permitiu ao projeto contemplar a diversidade e complexidade da arquitetura para vencer grandes vãos e teve por inspiração as formas do “Tatu-Bola” (Tolypeutes) espécie enquadrada como vulnerável pela Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional Para Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN – 2007). “A nossa inspiração e referência para o Galpão Botânico, foi fazer justamente um casco de tatu-bola. Então, pelo formato que já dá resistência e pela articulação dele, conseguimos chegar no resultado, com vãos estruturados em  treliças e placas de vedação  em policarbonato. Ficou bem interessante”, conta o aluno Rafael. “Foi primazia projetar um Parque Sustentável, assim, criamos um monumento na entrada do Parque em formato de árvore onde suas folhas são formadas por  placas fotovoltaicas. Foi previsto, também, a inserção de uma estação de energia fotovoltaica como fonte de abastecimento ao parque, evitando sobrecarga na estação de energia dos bairros vizinhos”, salienta Laís.

Para a professora Filomena, a participação dos alunos num concurso com este é de extrema relevância, pois possibilita o contato com outro tipo de sistema construtivo, como o aço, além de proporcionar o entendimento sobre os requisitos de avaliação de uma banca julgadora com critérios rígidos. “Isso é importantíssimo para  futura vida profissional, pois avaliados somos todos, o tempo todo, o que colabora para que nosso senso autocrítico seja cada vez mais aprimorado”, enfatiza. “Dessa forma, eles já vão adquirindo experiência para o TCC ( Trabalho de Conclusão de Curso) que está se aproximando”, acredita.

Filomena observa a dedicação  dos alunos. “É uma carga de trabalho dobrada. Alguns alunos se disponibilizam e abraçam a experiência e sempre digo que estes, certamente, levarão suas carreiras profissionais com uma atuação diferenciada no mercado”, considera. “Tivemos pouco tempo, aproveitávamos os intervalos entre aulas, muitas vezes conversávamos e trocávamos arquivo por WhatsApp. O Rafael tirou o mês de julho inteiro para ‘mochilar’ pela Europa e enriquecer seu olhar o urbano e  arquitetura. O tempo foi realmente apertado, mas pelo comprometimento da dupla com o envio, felizmente tudo deu certo”, complementa.

A aluna reforça a consideração da professora. “Nós dedicamos muito tempo e trabalho conciliando estudos, emprego e a elaboração do projeto. Acredito que, para ambos, essa experiência contribuiu grandemente para o crescimento profissional agregando conhecimento, principalmente do aço, que é um material do qual nunca havia feito uso como protagonista em meus projetos de arquitetura”, comenta. “Foi gratificante a experiência de participação em um Concurso Nacional, todo processo enriqueceu nossa bagagem, vivência acadêmica e  profissional futura, e o resultado final nos mostrou que todo esforço foi recompensado”, comemora.

Os futuros arquitetos Rafael e Laís ressaltam ainda, a grande satisfação em terem sido classificados como  finalistas num Concurso Nacional. “Profissionalmente dizendo, após a experiência de projetar e ficar classificada como finalista como um dos melhores projetos arquitetônicos, passei a dar maior credibilidade aos meus conhecimentos e em minha capacidade como arquiteta. Acredito que esse concurso, juntamente da UniMAX, terá grande influência em minha carreira profissional”, fala Laís.

Por fim, ela completa: “Sem o apoio da UniMAX e o auxílio da professora Filomena não seria possível levarmos adiante esse projeto. A professora esteve presente em todas as etapas, questionando, auxiliando e corrigindo o que era necessário, mesmo não tendo tempo para nos reunirmos pessoalmente. É gratificante poder dizer que fazemos parte da UniMAX e poder contar com o apoio do corpo docente”, conclui.

Já a professora Filomena acrescenta que percebe um perfil diferenciado em todos os profissionais que se destacam em suas áreas de atuação sendo  referências, inclusive bibliográfica, estes vão além, se lançam em questionamentos, pensamentos e conceitos controversos, opiniões instigantes ou uma aplicabilidade prática, forte ou impecável dentro de suas áreas. “Alunos  que ousam, que se projetam com suas habilidades e competências aliadas ao cabedal que está sendo construído dentro da academia, podem fazer parte de um time especialmente diferenciado. Acredito, que esta característica pode ser despertada e construída de forma muito positiva e comprometida, o que indiscutivelmente é a proposta de nossa instituição com ‘A teoria na Prática’”, finaliza.

03/10/2018

ăn dặm kiểu NhậtResponsive WordPress Themenhà cấp 4 nông thônthời trang trẻ emgiày cao gótshop giày nữdownload wordpress pluginsmẫu biệt thự đẹpepichouseáo sơ mi nữhouse beautiful